quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

10 Crítica: Se Beber Não Case

Se Beber, Não Case
(Hangover, The, 2009)








A comédia sensação de 2009, Se Beber Não Case (The Hangover), chega agora em DVD com o status de “comédia de censura 18 anos mais lucrativa da história” - 467 milhões de dólares mundialmente - e comédia mais lucrativa de todos os tempos, no home video – 8,6 milhões de unidades, em menos de um mês.

O filme é mais um exemplar dos chamados “bromances”, os filmes sobre amizade masculina. Na história, “às vésperas do casamento de Doug (Justin Bartha), seus melhores amigos - Phil (Bradley Cooper), Stu (Ed Helms) e Alan (Zach Galifianakis) - armam uma empolgada despedida de solteiro na cidade dos cassinos. Na manhã seguinte, os três acordam com a mãe de todas as ressacas num quarto de hotel detonado, sem qualquer lembrança do que aconteceu. Pra piorar, o noivo sumiu... e o que são aquela cadeira fumegante, a galinha andando na sala, o bebê no armário ou o tigre de begala no banheiro?”

O diretor do filme, o simpático Todd Philips, não tem nenhum grande projeto em seu histórico, a não ser uma participação no roteiro de Borat e a direção de Starsky & Hutch - Justiça em Dobro, mas surpreende fazendo um bom trabalho em Se Beber Não Case, nunca perdendo o ritmo e dirigindo muito bem os seus atores – o filme nunca cansa e as piadas brotam a todo momento.

O elenco tem como destaque Zach Galifianakis – mais conhecido na internet por seu programa de entevistas “Entre Duas Samambaias” e por sua participação na série da HBO Bored To Death – que interpreta o irmão da noiva e rouba a cena nas cenas cômicas (que são quase todas do filme!), apesar dos outros atores estarem muito bem – a química entre todos eles é impressionante.

No entanto, o grande mérito do filme está no roteiro. Escrito por Jon Lucas e Scott Moore, ele é divertidíssimo, partindo de uma premissa bem original – não nos é mostrada a farra, apenas o dia seguinte, a ressaca. E a partir delas, os amigos vão tentar desvendar o que ocorreu na noite anterior e onde diabo foi parar o noivo, tudo isso a partir das situações mais nonsense possíveis, sempre com uso do politicamente incorreto – com piadas envolvendo bebês, 11 de setembro e o holocausto.

A versão que chegou aos cinemas brasileiros recebeu alguns cortes e legendas sem palavrões. O filme passou de 18 para 14 anos, aumentando, assim, o público que poderia vê-lo no cinema. É claro que qualquer tipo de corte prejudica a obra – os palavrões são, sim, importantes! –, mas você não vai achar o filme menos engraçado por isso. Eu garanto!

Se Beber Não Case encabeça a lista das grandes comédias que vem sendo lançadas ultimamente, com piadas afiadíssimas, que mesclam o melhor do nonsense e do politicamente incorreto. Sem dúvida, uma das grandes surpresas de 2009. Agora, só nos resta esperar a continuação, que está prevista para junho de 2011.

10 comentários:

Eduardo Porto disse...

Tenho boas expectativas desse filme quando alugá-lo hoje. Comento aqui quando terminar de assisti-lo.

HSLO disse...

Passando por aqui pela primeira vez e gostei muito...adoro blogs que fale sobre filmes...
Voltarei outras vezes.


abraços


Hugo

Leonardo Marques disse...

Se Beber, Não Case! sem dúvida nenhuma foi uma das melhores comédias de 2009, tanto que esta concorrendo a categoria Melhor Filme Para Rir no meu blog.
Zach Galifianakis foi a maior revelação, as cenas dele com o bebe são muito boas. O longa conquista porque ficamos anciosos pra descobrir o que realmente aconteceu na noite anterior, onde esta o noivo e se eles conseguiram chegar a tempo. Com tantos mistérios envolvidos impossível de não virar sucesso.

Jardel Nunes disse...

Conheci o blog agora e achei bem interessante, gostei do texto sobre Se Beber, Não Case... eu adorei o filme, mas fiquei com uma dúvida... No DVD, é a versão original com censura 18 anos, ou a 14 anos? é que eu assisti no cinema...
Ah, Todd Philips também fez Dias Incríveis, que eu gostei muito...

Dá uma passada no meu blog..
www.topangablog.blogspot.com

Abraços e até

kah disse...

Ainda não vi esse filme, mas quero muito. Gostei do blog!

Mateus, O Indolente disse...

Oi,

Jardel e Kah, obrigado pela visita, espero que voltem sempre, hehe.

Jardel, em relação ao DVD, eu assisti ontem e ele está em um meio termo.

As cenas cortadas na versão brasileira são a de um chinês nu - na censurada, a imagem fica granulada - e a dos créditos finais, onde aparece uma senhora fazendo sexo oral no personagem do Galifianakis (!!!!!!!).

No DVD, a parte do chinês não foi censurada, nós vemos o dito cujo pelado mesmo. Já a do final, eles embaçaram a imagem.

Abraço!

Roberto F. A. Simões disse...

Ainda não vi esse aí. A crítica aplaudiu e o sucesso falou por si. Mas nunca tive especial vontade de o ver.

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

Jéssica G3 disse...

Uma das melhores comedias que ja assisti, sem exageros

Jeniss Walker disse...

putz, q filme joia. gostei de terem premiado ele. ri muito mas em alguns momentos fiquei com vergonha, hehehe :)
abraço :)

R. Meireles disse...

esse filme é uma "comédia"- e eu ainda tive o prazer de assisti-lo ao lado desse maravilhoso critico de cinema, Mateus de Souza, privilégio para poucos!

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.