domingo, 14 de março de 2010

7 Crítica: Bastardos Inglórios

Bastardos Inglórios
(Inglourious Basterds, 2009)







Por Mateus Souza

Com o seu épico da Segunda Guerra, Tarantino se mostra um cineasta mais seguro e arrogante. E isso é bom. Muito bom.



Com Bastardos Inglórios, fantasia sobre a Segunda Guerra Mundial, Quentin Tarantino demonstra um grande amadurecimento como cineasta. E o mais importante: esse amadurecimento aconteceu sem que o diretor perdesse sua marca, sem que ele deixasse de ser “Quentin Tarantino”.

O filme – que teve a melhor abertura mundial para um filme de Tarantino, 27,5 milhões – se passa durante a Segunda Guerra, na França ocupada pelo exército alemão. Lá, a jovem Shosanna Dreyfus (Mélaine Laurent) testemunha a execução da família pelo coronel nazista Hans Landa (Christoph Waltz). Porém, ela consegue escapar e passa a viver sob a identidade de uma proprietária de cinema em Paris, enquanto aguarda o momento certo para se vingar. Ainda na Europa, o tenente Aldo Raine (Brad Pitt) organiza um grupo de soldados judeus para lutar contra os nazistas. Conhecido pelo inimigo como "Os Bastardos", o grupo de Aldo recebe uma nova integrante, a atriz alemã e espiã disfarçada Bridget Von Hammersmark (Diane Kruger), que tem a perigosa missão de chegar até os líderes do Terceiro Reich. Os destinos dos dois grupos convergem para o cinema onde Shosanna está planejando a sua própria vingança.

Como é de se esperar de todo filme de Tarantino, Bastardos Inglórios é muito bem escrito. Dividido em capítulos (que foram filmados na ordem apresentada no filme, coisa difícil de acontecer em uma produção), o roteiro apresenta muito bem todos os personagens, suas histórias e como elas se cruzam. Tudo isso recheado com grandes homenagens e citações a outros gêneros do cinema – como o próprio título do filme, que é retirado do filme italiano Quel Maledetto Treno Blindato (1978), e a trilha sonora típica dos faroestes italianos.

Todo o elenco está maravilhoso. Não foi à toa que o filme ganhou o prêmio do Sindicato dos Atores de Melhor Elenco. Brad Pitt está caricato do jeito que deve ser, como o líder dos Bastardos, é impossível não se divertir com o seu sotaque sulista. Mélanie Laurent está muito bem, linda e vingativa como Shosanna. No entanto, o maior destaque no que diz respeito às atuações é o antes desconhecido por aqui Christoph Waltz (vencedor do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante e de quase todos os outros prêmios que foi indicado por esse papel). O alemão, que fala inglês, italiano, francês e faz o coronel nazista mais conhecido como “Caçador de Judeus”, rouba a cena sempre que aparece – suas cenas com Pitt são as melhores!

O filme ainda conta com uma excelente fotografia, trabalho de Robert Richardson (já duas vezes premiado no Oscar pelos trabalhos em O Aviador e JFK) e uma trilha sonora deveras instigante – que vai dos temas de faroeste à músicas pop. Bastardos Inglórios é, visualmente, o mais belo filme de Tarantino, ao lado de Kill Bill.

Com um tema perfeito para ser premiado no Oscar – afinal, descapelar nazistas e explodir um teatro cheio deles é muito bem visto em Hollywood , Bastardos Inglórios foi patricamente esquecido pela Academia, levando apenas uma das oito categorias a que estava indicado. Mas, acima de tudo, o filme revela um grande amadurecimento por parte de Tarantino, que continua fazendo aquilo que sempre fez – misturando escolas, gêneros e homenageando o seus filmes preferidos –, só que muito melhor do que antes.

7 comentários:

Jardel Nunes disse...

É triste se lembrar que Bastardos não ganhou nenhum Oscar, tirando o de Waltz... Filme genial.
E Brad Pitt fica ótimo nesses papéis caricatos, principalmente falando italiano hehe.
O grande injustiçado de 2009..

Abraços

Thiago Nardi disse...

Tarantino eh foda cara... Ele uma vez comentou que faz filmes para ele mesmo..
Eu esperava e estava na torcida para o premio de roteiro, mas infelizmente nao foi dessa vez.. Garanto que os proximos filmes dele serão melhores ainda!

abraço..
Parabens pelo blog..
visite o meu e vamos fazer uma parceria de links!
http://estanteimaginaria.blogspot.com/

Jenson J, disse...

Cà temos um filme discutivel, e que agradaou e desagradou a muitos, particularmente gostei, o real cinema aos olhos de um "nonsense" TARANTINO!

O Cara da Locadora disse...

Não ganhou o Oscar por ser muito superior à ele (exagerei, rs)... Tarantino fez, mais uma vez, uma obra inesquecível... Tiro meu chapéu...

Mateus, O Indolente disse...

JARDEL: É triste mesmo. Em outro ano, o filme poderia ser o grande vencedor, hehe.

THIAGO: Obrigado pela visita e vamos fazer essa parceria sim! Eu também acreditava no prêmio de roteiro, até cheguei a colocar no post sobre minhas apostas. E que venham mais filmes de Tarantino!

Jenson J: Tem razão. Apesar de ter muitos fãs, Tarantino não agrada a todos. Sua violência escrachada e suas "homenagens" a outros filmes não são bem vistas por alguns.

O Cara da Locadora: Sim, inesquecível!

Abraços!
Cinema para Desocupados

Kahlil Affonso disse...

É incrível ver que obras originais e inteligentes como 'Bastardos Inglórios' sejam esquecidos pela Academia, e filmes repetitivos como 'Guerra ao Terror' saiam ganhando.

http://cinemaemdvd.blogspot.com

Carol Morais disse...

Eu adorei esse filme!
Muito boa a crítica, Mateus!

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.