quarta-feira, 31 de março de 2010

14 Crítica: Kill Bill Vol. 1

Kill Bill - Volume 1
(Kill Bill: Vol. 1, 2003)

Um ótimo trabalho de Tarantino, que eleva ao máximo sua paixão pelos filmes que via nos tempos de balconista de locadora.

Quentin Tarantino
é conhecido por colocar e misturar elementos de diferentes gêneros do cinema em seus trabalhos. Alguns o odeiam por isso, o chamam de farsa, de oportunista; outros, porém, o amam, e veem nessa mistura feita pelo diretor a mais pura genialidade, que só poderia emanar de um apaixonado pela sétima arte.

Para aqueles que fazem parte do segundo grupo (do qual eu faço parte), Kill Bill Vol. 1, lançado em 2003, pode ser encarado com uma obra-prima, pois representa o ápice da mistura de escolas e gêneros proporcionadas por Tarantino. Encontramos aqui elementos de filmes e séries de kung-fu da década de 60 e 70, dos filmes de velho oeste, dos filmes de máfia e até mesmo de cultuados animes.

Revisitando os antigos filmes sobre vingança, Kill Bill Vol. 1 conta a história “de uma ex-assassina de aluguel (Uma Thurman) que desperta de um coma com apenas uma motivação: MATAR Bill (o falecido David Carradine). O alvo de sua vingança cometeu uma terrível traição bem no dia em que a Noiva (forma como o personagem de Thurman é chamado no filme), se casaria. Lucy Liu, Daryl Hannah, Vivica A. Fox e Michael Marsden completam o elenco e interpretam seus antigos colegas de profissão, que por participarem do massacre também enfrentarão a sua ira.”

Inicialmente um filme só, Kill Bill teve de ser dividido em duas partes (volumes), decisão que irritou alguns por parecer puramente comercial, mas que, ao meu ver, foi bastante certa, pois impediu que o filme tivesse uma metragem de mais de três horas (o que o tornaria extremamente cansativo).

Além do mais, as duas partes são bastante diferentes no que diz respeito ao ritmo imposto (enquanto a primeira foca mais nas cenas de ação e no sangue, muito sangue, a segunda se dedica mais aos diálogos e ao esclarecimento de alguns temas). Isso faz com que a divisão não cause uma “quebra” no filme. O que vemos são dois filmes que não aparentam antes ter sido um.

Uma Thurman é a grande estrela do filme. A atriz – que ajudou Tarantino na construção de sua personagem, que começou lá na época das filmagens de Pulp Ficction – passou por um rigoroso treinamento (que incluiu aprender japonês, diferentes estilos de Kung Fu e de luta com espada e se equilibrar em cabos). Nas cenas de ação, Uma emana grande naturalidade, nunca parecendo artificial. Acreditamos, realmente, que à nossa frente está uma perigosa assassina mestra em diferentes artes marciais. E, o mais importante, ela faz com que, apesar da Noiva ser tão ou mais cruel que as pessoas das quais busca vingança, torçamos pela sua vitória, para que efetive sua vingança.

Tarantino criou um universo próprio para Kill Bill, formado por elementos de diferentes gêneros e escolas cinematográficas - por isso, não estranhe ao ver pessoas saltando grandes distâncias ou quantidades torrenciais de sangue jorrando quando um membro é decepado. Ele pega tudo aquilo que mais gosta e junta em um só lugar, e o melhor: ele não deixa o filme se transformar numa bagunça.

As lutas são extremamente bem coreografadas e dirigidas (a sequencia do restaurante é uma das mais bem filmadas cenas de ação que já vi). A fotografia de cores fortes de Robert Richardson (que, recentemente, fez Bastardos Inglórios, com o próprio Tarantino) deixa o filme visualmente belíssimo. A trilha sonora é uma grande reunião de estilos – ouvimos temas de antigos seriados de kung fu, de filmes sobre a máfia japonesa, de spaghetti-westerns, sem falar da homenagem a Bernard Herrmann (presente na música assobiada pela personagem de Daryl Hannah) e da luta final ao som de"Don't Let Me Misunderstood" versão flamenca.

Kill Bill Vol. 1 é um amontoado de referências aos filmes preferidos de Quentin Tarantino - algo que o diretor faz desde Cães de Aluguel. A primeira parte de uma simples e batida história de vingança, que nas mãos hábeis de Tarantino, se torna um grande filme.

14 comentários:

Hugo disse...

Sou fã de Tarantino mas não consegui entrar no clima dos dois "Kill Bill".
Quem sabe mais para frente não darei outra chance.

Abraço

Jenson J, disse...

UMA CATASTROFE! Não engulo esse filme!

Eduardo Porto disse...

Kill Bill pra mim, de tão peculiar, virou clássico. haha
Mas também concordo com aqueles que dizem que náo é um filme tão bom.

Carol Morais disse...

Eu, sinceramente, não engulo esse filme. Aceito ficções e ficções. É bom que, muitas vezes, nos demos o luxo de libertar o imaginário e nos transportamos para lugares e situações fantásticas.
Com esse filme, vejo que a intenção é essa, mas a forma como foi realizada foi um fracasso total. Muito ruim o filme.

Mateus, O Indolente disse...

Para gostar de Kill Bill tem de comprar a proposta vendida por Tarantino e, além disso, ser fã dos gêneros difundidos alí. Não sendo, fica difícil gostar mesmo.

Abraços.

*Aline* disse...

Achei o Kill Bill volume 2 fantástico, adorei o formato do filme, as cenas do treinamento da Noiva e a cena do caixão do segundo pra mim são o máximo! Muito melhor que o volume 1, que não tive nem saco pra ver inteiro. Achei meio que violência gratuita, aquele monte de sangue...

Kahlil Affonso disse...

'Kill Bill' poderia ter sido o maior fiasco da história... isto é, se não tivesse sido consebido por Tarantino!

http://cinemaemdvd.blogspot.com/

Roberto F. A. Simões disse...

Um filme fenomenal. Quentin Tarantino concebeu, com perfeição, um filme original, energicamente sublime, misto de registos e referências e tela de grande confluência estética.

Uma obra-prima, com uma fotografia sublime! 5/5

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

Nekas disse...

Mas que grande filme! Do iníco ao fim, cada golpe, cada diálogo, a coordenação dos movimentos, a sincronização da sonoplastia, Kill Bill é brilhante!

Abraço
Cinema as my World

Leandro disse...

Obra Prima,filme fantástico,onde tudo nele no meu ponto de vista funciona perfeitamente.
Uma Thurman numa de suas melhores atuações,mas ainda acho o Vol.2 melhor.
E o que falar da sequência da chacina,aquilo é brilhantismo puro !
Ótimo texto

Anônimo disse...

Heу Ι κnow this is off toρic but Ӏ
was wondеring if you knew of any widgetѕ I could add to my blоg that automаtісally
tweet my newest tωitter upԁаteѕ.
I've been looking for a plug-in like this for quite some time and was hoping maybe you would have some experience with something like this. Please let me know if you run into anything. I truly enjoy reading your blog and I look forward to your new updates.

My webpage :: link building company india

Anônimo disse...

Amаzing things herе. I am very satisfieԁ to ѕee yοur аrticle.
Thаnk you so much аnd Ι'm having a look forward to contact you. Will you please drop me a e-mail?

My homepage lloyd irvin

Anônimo disse...

Howdy! I'm at work browsing your blog from my new iphone! Just wanted to say I love reading your blog and look forward to all your posts! Carry on the fantastic work!

my blog post :: Justin Sather

Anônimo disse...

It's going to be finish of mine day, except before ending I am reading this enormous piece of writing to improve my know-how.

Here is my web-site :: reputation management

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.