terça-feira, 8 de junho de 2010

5 Crítica: Apenas o Fim

Apenas o Fim
(Apenas o Fim, 2008)

Direção: Matheus Souza
Roteiro: Matheus Souza
Elenco: Érika Mader, Gregório Duvivier



Por Mateus Souza


Feito por estudantes, Apenas o Fim representa a geração que cresceu nos anos 90.

Apenas o Fim
é um filme simples. Escrito e dirigido pelo estudante de cinema da PUC-RJ Matheus Souza, o filme teve como orçamento inicial o dinheiro arrecadado com a rifa de um uísque. Suas câmeras foram cedidas pela própria Universidade, que também serve de locação para todo o filme – já que as câmeras não poderiam sair lá de dentro. Os atores e os demais membros da equipe são amigos do diretor.

A simplicidade na produção é diretamente proporcional à qualidade artística do filme. E não demorou para o filme começar a fazer sucesso nos festivais afora. Apenas o Fim ganhou os prêmios de Melhor Filme do Júri Popular e Menção Honrosa do Júri Oficial no Festival do Rio, Prêmio de Melhor Filme do Júri Popular na 32ª Mostra de São Paulo, e foi selecionado para festivais como o de Miami e o de Rotterdam.

No filme, uma garota (vivida por Érika Mader, sobrinha de Mallu Mader) decide abandonar o namorado Antonio (Gregório Duvivier) e fugir para um lugar desconhecido. Antes de partir, porém, ela resolve encontrá-lo, para que eles possam passar uma última hora juntos. Nesse último momento juntos, eles fazem um balanço do relacionamento.

O texto de Matheus Souza é eficientíssimo ao tratar essa última “discutida de relação” de forma descontraída, mas sem perder o lado sentimental e emocional – afinal, trata-se do fim de um relacionamento. Os diálogos rápidos e naturais são recheados por elementos e referências à cultura pop (como Pokémon, Star Wars, Mario Bros, etc.), o que faz com que o filme funcione melhor para esse público.

O jovem cineasta não esconde suas influências – que vão dos cineastas Woody Allen e Domingos de Oliveira a filmes como Antes do Amanhecer e Antes do Pôr-do-Sol. Matheus Souza pega essas influências e as dá um tempero próprio, que é justamente essa pitada de cultura pop.

Outro aspecto positivo do filme são as atuações. É incrível como os diálogos entre os atores soam naturais, a ponto de não sabermos bem se aquilo foi improvisado ou se já estava escrito no roteiro. Gregório Duvivier e Érika Mader estão perfeitos em seus papéis. Ele dando um ar meio Woody Allen ao seu personagem e ela cumprindo bem o seu trabalho, que é um pouco mais complicado, pois não é fácil ser aquela que termina o relacionamento e, ainda assim, não cai na antipatia do público (é uma situação bem parecida com a do filme 500 Dias Com Ela, leia a crítica aqui ). Vale destacar também a atuação do “amigo chato” e da “amiga hippie”, pessoas que o casal encontra no passeio pela Universidade – as duas cenas são hilárias.

Apenas o Fim é um filme interessantíssimo, que mostra que com um pouco de vontade se pode sim fazer um filme de qualidade. É a estreia de um promissor cineasta, que ,logo em seu primeiro filme, conseguiu retratar muito bem uma geração. Mais do que recomendado!

5 comentários:

Jardel Nunes disse...

Vi o Matheus Souza no Omelete, e apesar de ter achado o diretor meio "mala", tenho bastante curiosidade de assistir Apenas o Fim hehehe
Parece ser bem interessante, mas infelizmente é muito difícil de achar em qualquer lugar que não seja a internet..

Abraços e ótimo texto.

Mateus Souza disse...

Jardel, eu também tive essa impressão. Achei que o cara forçou a barra pra parecer "nerdão", mesmo sem precisar, hehe.

Abraço.

Eduardo Porto disse...

Meu colega Matheus, além de crítico, agora é um cineasta premiado. Haha! Juro que pensei que tinha erro de digitação ali.

Abraços colega.

Vanessa Souza Moraes disse...

Meu blog mudou de endereço, o novo é:
http://vemcaluisa.blogspot.com/
:)

Alfredo Taunay disse...

O Matheus não forçou a barra para parecer nada. Ele é exatamente aquele que vocês viram. Ele é um cara gente boa, tímido, educado e muuuito inteligente. Não sou amigo dele, mas tive o prazer de poder conversar com ele algumas vezes e acreditem, ele não é "mala". Um cara super gente fina que mereceu e merece todos os elogios.

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.