terça-feira, 28 de setembro de 2010

8 Exceções de Adam Sandler

Nem só de filmes ruins com Rob Schneider é composta a filmografia do ator

Semana passada, estreou por aqui Gente Grande - mais um dos filmes sem graça de Adam Sandler no qual ele interpreta a si mesmo. Esses filmes (que se tornam piores quando contam com a participação de Rob Schneider e roteiro do próprio Sandler) são a regra na carreira do comediante oriundo do Saturday Night Live.

Mas, como toda boa regra, essa também comporta exceções. São filmes nos quais Sandler sai do estereótipo moldado por ele mesmo, surpreendendo nem que seja só pela sua presença no filme.

É o caso de Embriagado de Amor (Punch-Drunk Love, 2002) que pelo título e a participação de Sandler como personagem principal pode frustrar muita gente. O filme de Paul Thomas Anderson (Magnólia, Sangue Negro) não é o que parece, e é um dos mais estranhos já feitos no âmbito das comédias românticas (que trilha sonora é aquela?)

Nele, Sandler vive o problemático Barry (papel que lhe rendeu um Globo de Ouro), o irmão mais novo de sete irmãs, que, no que seria um dia comum, presencia um acidente de carro, tem um piano largado na frente de sua casa e conhece
Lena Leonard (Emily Watson), o amor de sua vida.

O filme conta com ótimos diálogos ("Eu amo tanto você que queria arrancar os seus olhos e chupá-los...") e situações non sense de altíssimo nível - como se a premissa já não fosse o bastante. Um bom e esquizito filme.

Em 2004, Adam fez
Espanglês (Spanglish), do vencedor do Oscar James L. Brooks, onde contracena com Paz Vega (Lúcia e o Sexo) e Téa Leoni (Dirigindo no Escuro). O filme é mais um daqueles que são vendidos por aqui como comédias românticas, mas, na realidade, não o são. Vale a pena ser conferido (nem que seja para admirar a beleza espanhola de Paz Vega).

Mas se em Embriagado de Amor e Espanglês Sandler mantinha a essência humorística, no drama Reine Sobre Mim (
Reign Over Me, 2007) ele sai um pouco desse caminho, não sendo nem mesmo o escape cômico do história, esse ficando a cargo do talentoso Don Cheadle.

Na trama, Sandler vive um pai de família que perdeu a mulher e as filhas no atentado terrorista de 11 de setembro. Don Cheadle vive o dentista Alan, amigo dos tempos de faculdade, que vai tentar salvar o personagem de Sandler do estado de choque em que se encontra desde fatídico dia.
O filme tira o foco da destruição material causada pelo atentado e o direciona para as consequências emocionais que o evento causou na família das vítimas.

Sandler não cai na caricatura - o que é notável diante do personagem que enfrenta - e emociona em muitos momentos (a cena em que seu personagem se desculpa e beija o rosto da mãe de sua falecida mulher, como diria Nasi, "não dá pra segurar").

Esses são três filmes que (somados ao recente Tá Rindo do Quê?) comprovam que Adam Sandler tem seus bons momentos como ator e pode sim fazer filmes interessantes. O estranho é entender o porquê de sua preferência pelas já sem graça comédias que o tornaram conhecido. 

8 comentários:

Jim disse...

Ótimo post. E de fato, Reign over me é um filme bastante emocionante.

leo disse...

Também achei ótimo o texto,acho que Adam Sandler faz esses filmes dele atuando ele próprio com aquele humor bobão habitual dele visando o cachê,porque ele sabe que irá dar certo.
Mas essas atuaçoes que você citou são realmente muito boas,especialmente a de Embriagado de Amor e sem contar que em Funny People ele novamente atua a si mesmo,mas de um forma muito mais interessante.

Mas tenho que confessar que adoro Como se fosse a primeira vez,tenho vergonha disso,mas gosto muito.

Abrços

Plutonauta disse...

Levando em consideração que o Jim Carey tem talento de sobra para ser mais do que comediante, eu tem tendencia a considerar o Sandler um dos melhores comediantes da atualidade .... eu gosto da bizarrice com o Schneider .... uma vez até postei no blog um levantamento enorme da carreira dele não só com o Schneider mas com uma infinidade de outros atores que sempre estão nos filmes dele !!!!!

alan raspante. disse...

Nunca gostei muito de Sandler, mas ele é bom ator e comediante. Gosto bastante de "Espangles" achei muito bacana o filme ...
Preciso ver este "reine sobre mim" e claro, "embrigado de amor" também.

Abs.

Película Criativa disse...

Eu detesto Adam Sandler, não o considero engraçado, acho o seu humor bem fake e nem faço questão de assistir Gente Grande.

Mas Punch Drunk Love e Spanglish são filmes muito bons, foram os melhores personagens de Adam Sandler.

Gostei muito do seu blog :D

*Aline* disse...

Ah! Enfim pessoas que concordam comigo quanto ao Sandler! Acho ele chatíssimo e sem graça, ele realmente interpreta o mesmo papel em todos os filmes, chego a perder a vontade de ver o filme só de olhar pra cara dele. Mas Reine Sobre Mim foi realmente uma excessão... Mas eu continuo não gostando dele! XD

Gustavo Darwich disse...

Embriagado de Amor é realmente péssimo. Mas eu gostei de Gente Grande e admiro muito o Adam Sandler.
Abs.

Mateus Souza disse...

Gustavo: Não sei bem se é péssimo, hehe, é mais uma questão de expectativa. Normalmente, as pessoas o assistem esperando uma comédia romântica convencional.

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.