sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

7 Crítica: O Grande Truque

4/5
The Prestige
EUA, UK, 2006 - 129 min.
Diretor:
Christopher Nolan
Roteiro:
Christopher Nolan, Jonathan Nolan
Elenco: 
Hugh Jackman, Christian Bale,  Michael Caine


Um truque de mágica muito bem executado

Christopher Nolan, atualmente, é “O Cara” em Hollywood. O diretor, responsável pela revitalização do Batman nos cinemas, emplaca um sucesso atrás do outro. Seu último filme, A Origem (leia a crítica aqui),  foi a quarta maior bilheteria do ano (faturou aproximadamente 825,4 milhões de dólares). Isso sem falar que é tido como nome certo entre os futuros indicados ao Oscar.

Em 2006, entre os dois filmes do Homem-Morcego, Nolan lançou O Grande Truque, que pode não ser Cult como Amnésia (2000) nem  um autêntico blockbuster como Batman - O Cavaleiro das Trevas (2008), mas é um de seus melhores  filmes.

A história, passada  na Londres do final do século XIX e  início do século XX,  mostra-nos dois mágicos, Alfred Borden (Christian Bale, o Batman) e Robert Angier (Hugh Jackman, o Wolverine). Os dois ilusionistas, inicialmente amigos, desenvolvem entre si uma rivalidade exacerbada, que evolui ao ponto de levá-los a uma obsessiva e inacabável disputa para ver quem é o melhor.

No elenco, além de Bale e Jackman, estão Michael Caine (que viria a se tornar figura freqüente nos filmes do diretor),  Rebecca HallScarlett Johansson (dupla de Vicky Cristina Barcelona) - esta última em um papel pequeno e desinteressante. O  camaleônico David Bowie e o "Gollum" Andy Serkis  fazem uma pequena, mas importante, participação, como o cientista Nikola Tesla e seu empregado Alley, respectivamente. Tesla, para os menos entendidos, de fato existiu e foi um importante cientista do campo da eletricidade.

O roteiro dos irmãos Nolan, baseado no romance de Christopher Priest, apresenta uma história não-linear, com diferentes linhas narrativas que se cruzam e que, de hora em hora, mudam a nossa opinião a respeito de quem é o vilão e quem é o mocinho  da história.

Se em A Origem temos sonhos dentro de sonhos, aqui  o texto traz  narrativas dentro de narrativas. São três no total, uma nascendo de dentro da outra e alternando-se para contar a história. Escrito parece complicado, mas, na tela, não é.  Mérito  da coesão do texto dos irmãos que, aliado a uma excelente montagem, não deixa o público se perder, construindo uma narrativa de fácil compreensão, apesar da sua estrutura complexa – virtude essa não presente em A Origem.

No início do filme, aprendemos que um truque de mágica é composto por três momentos distintos. A Promessa, na qual o mágico apresenta um objeto comum à platéia. A Virada, onde algo de extraordinário é feito sobre o objeto antes comum e, por fim, o Grande Truque, que é o momento principal da mágica, no qual ela encontra o seu desfecho, levando a platéia ao delírio. 

O Grande Truque é como uma dessas mágicas, e Nolan, o mágico em questão, executa  cada passo de forma tão envolvente e hábil  que é preciso um final típico de Hollywood (daqueles explicadinhos) para que entendamos a  sua grandiosidade.  

7 comentários:

oZZy disse...

Ótimo filme, ótima crítica (y)
Parabéns o/

Hugo disse...

Grande filme. Não tem a mesma fama de outros trabalhos de Nolan, mas é quase perfeitas. Um ótimo roteiro cheio de reviravoltas e um elenco afiado numa história de egos inflados, inveja e vingança.

Abraço

Mateus Souza disse...

Ozzy: Valeu!

Hugo: Tem razão. Mesmo sem ser o mais conhecido, é o meu preferido.

Obrigado pelos comentários!

Jenifer Torres disse...

Ótimo filme de um diretor sempre competente.
Abraços.

Por que você faz poema? disse...

Sinceramente, Nolan ainda não me conveceu.
Às vezes acho que ele aprendeu um truque que a qualquer momento será desvendado.

Cristiano Contreiras disse...

Um excepcional filme que, ao meu ver, deveria ser mais premiado e valorizado! Gosto mais dele que Amnésia, por exemplo. Abraço

Rafael W. disse...

Não tem como dizer o contrário: Nolan é um dos melhores diretores em atividade. O Grande Truque é mais um grande filme dele, inventivo e muito bem elaborado.

Mas dele, eu prefiro Batman - O Cavaleiro das Trevas (perfeito!), Amnésia (coisa de louco!) e A Origem (genial!)

http://cinelupinha.blogspot.com/

Postar um comentário

O Cinema para Desocupados agradece pelos comentários!

Sempre que necessário os responderemos.